A importância da Inspiração nos Cursos de Administração

Lecionando há 25 anos em cursos de administração de empresas e correlatos, passei a prestar atenção nos comentários de ex-alunos, aqueles que passaram pelas minhas aulas e hoje são profissionais do mercado.

Para minha surpresa, mas, também, alegria, entendi que contribui na formação deles muito mais com a inspiração do que com conteúdos.

Entre os mais diversos relatos houve um que até foi bastante incisivo em dizer: “Professor não lembro bem o que me ensinou, mas você me inspirou a ser quem sou hoje”. Esse aluno é hoje palestrante reconhecido, que tem, também, inspirado muita gente a seguir em frente.

Com base nisso penso que precisamos fazer algo nos cursos de administração. Há a tradicional disciplina de TGA (Teoria Geral da Administração) que é sempre ministrada de forma enfadonha, focada na história da administração, e quase sempre com a mesma estratégia ensino-aprendizagem, com uso de seminários, o cansativo filme “Tempos Modernos”, e outras técnicas repetitivas.

Pergunto, como isso pode contribuir para formarmos administradores para o mercado moderno, que exige amplo grau de inovação, capacidade de empreender e adaptabilidade às constantes mudanças de ambiente e de tecnologia?

Então, mais significativo e importante é, sem dúvida, inspirar esses estudantes, levá-los a acreditar que podem fazer mais, e que a construção de suas carreiras são diretamente conectadas ao grau de motivação de fazer o novo, de fazer e serem melhores.

Naturalmente, não estamos aqui reduzindo a importância da formação técnica, das habilidades e conhecimentos que o curso deve propiciar, porém, está evidenciado que já não são suficientes.

Sou crítico, ainda, da finalização dos cursos, onde se exige o famoso TCC, cujo viés acadêmico em nada contribui com a realidade do mercado de trabalho, visto que uma parcela infinitesimal dos estudantes escolherá a carreira docente. Porém isso já é assunto para um outro post.